Please use this identifier to cite or link to this item: https://hdl.handle.net/1822/65330

TitleFreshwater biodiversity assessment in areas with and without protection
Other titlesAvaliação da biodiversidade em água-doce de áreas com e sem proteção
Author(s)Nogueira, Joana Filipa Garrido
Advisor(s)Sousa, Ronaldo Gomes
Teixeira, Amílcar
KeywordsBiodiversity
Conservation
Protected areas
Freshwater ecosystems
Áreas protegidas
Biodiversidade
Conservação
Ecossistemas de água-doce
Issue date2019
Abstract(s)Freshwater ecosystems are essential to human well-being and are considered areas of high biodiversity. However, this biodiversity has been suffering severe declines due to the expansion of human activities. Protected areas are essential for biodiversity conservation and have proven to be successful in stopping species extirpation, when managed properly. Unfortunately, they are usually focused on terrestrial biodiversity, leaving many times freshwater ecosystems aside. The main goal of this study was to determine the influence that the Montesinho Natural Park (MNP), mainly designed to protect terrestrial biodiversity, has on freshwater biodiversity present in Mente, Rabaçal, Tuela and Sabor Rivers. Therefore, we sampled two aquatic faunal groups: fishes and invertebrates (bivalves and other macroinvertebrates) inside, in the periphery and outside the MNP. Biodiversity (richness, abundance, Shannon-Wiener diversity and Pielou’s evenness) and water quality (IBMWP, IASPT and %EPT) indices were calculated. It would be expected that results indicated better abiotic and biological conditions inside the park. However, this was not the case, with results showing that the protected area does not affect positively neither water quality nor the two faunal groups monitored. The macroinvertebrate communities and Margaritifera margaritifera abundance were not influenced by the protected area and only M. margaritifera length was significantly lower inside the MNP. For the fish communities, richness and abundance were significantly higher outside the protected area. Given these results, we conclude that MNP does not guarantee protection for the aquatic biodiversity and its ecosystems. This work highlights the view that protected areas need to be designed and managed for aquatic biodiversity if they intend to be successful in their conservation. Control of non-native species, reduction of point source pollution, regulation of fisheries and improvement of rivers connectivity are some of the most important actions that need to be taken by governmental, local population and stakeholders in order to achieve a proper protection of freshwater ecosystems and prevent the extirpation of species with conservation importance.
Os ecossistemas de água-doce são essenciais para o bem-estar humano, sendo consideradas áreas com grande biodiversidade. No entanto, esta tem sofrido uma diminuição enorme devido à expansão das atividades humanas. As áreas protegidas são essenciais para a conservação da biodiversidade e já provaram ser bem-sucedidas em travar a extirpação de espécies quando são bem geridas. Infelizmente, são maioritariamente focadas na biodiversidade terrestre, ignorando muitas vezes os ecossistemas de água-doce. O principal objetivo deste trabalho foi determinar a influência do Parque Natural de Montesinho (PNM), que foi projetado para proteger a fauna terrestre, na biodiversidade de água-doce presente nos Rios Mente, Rabaçal, Tuela e Sabor. Assim sendo, foram amostrados dois grupos faunísticos: peixes e invertebrados (bivalves e outros macroinvertebrados) dentro, na periferia e fora do PNM. Com estes dados foram calculados índices de diversidade (riqueza, abundância, diversidade de Shannon-Wiener e equitabilidade de Pielou) e índices de qualidade de água (IBMWP, IASPT e %EPT). Seria expectável que os resultados indicassem uma melhor condição abiótica e biológica dentro do parque. Contudo, este não foi o caso pois os resultados mostraram que a área protegida não afeta positivamente nem a qualidade de água nem nenhum dos dois grupos faunísticos monitorizado. As comunidades de macroinvertebrados e a abundância de Margaritifera margaritifera não foram influenciadas pela área protegida e apenas os comprimentos de M. margaritifera foram significativamente menores dentro do PNM. No que diz respeito às comunidades de peixes, a riqueza e a abundância foram significativamente maiores fora da área protegida. Assim sendo, concluímos que o PNM não garante a proteção de espécies aquáticas e dos seus ecossistemas. Este trabalho reforça a visão de que as áreas protegidas têm que ser desenhadas e geridas tendo também em conta a diversidade aquática se tencionam ser eficazes na sua proteção. O controlo de espécies nãonativas, a redução de fontes localizadas de poluição, a regulação das pescas e a melhoria da conectividade dos rios são algumas das medidas mais importantes a tomar pelo governo, pela população local e por outras partes interessadas de modo a alcançar uma proteção adequada dos ecossistemas de água-doce e impedir a extirpação de espécies com importância de conservação.
TypeMaster thesis
DescriptionDissertação de mestrado em Ecology
URIhttps://hdl.handle.net/1822/65330
AccessOpen access
Appears in Collections:BUM - Dissertações de Mestrado
DBio - Dissertações de Mestrado/Master Theses

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
Dissertacao+33747.pdf3,57 MBAdobe PDFView/Open

Partilhe no FacebookPartilhe no TwitterPartilhe no DeliciousPartilhe no LinkedInPartilhe no DiggAdicionar ao Google BookmarksPartilhe no MySpacePartilhe no Orkut
Exporte no formato BibTex mendeley Exporte no formato Endnote Adicione ao seu ORCID