Please use this identifier to cite or link to this item: https://hdl.handle.net/1822/68998

TitleA(s) crise(s) e a(s) identidade(s). A globalização, a perda de soberania dos Estados e a emergência dos patriotismos
Author(s)Sousa, Vítor de
KeywordsIdentidade
Crise
Globalização
Patriotismo
Issue dateDec-2020
PublisherHúmus
CitationSousa, V. de (2020). A(s) crise(s) e a(s) identidade(s). A globalização, a perda de soberania dos Estados e a emergência dos patriotismos. In S. Khan; V. de Sousa & R. Ribeiro (Eds.), O mundo na Europa: crises e identidades (pp. 97-114). V. N. Famalicão: Húmus.
Abstract(s)A crise, que ganhou lastro com a falência da ideia de unidade e através da globalização, pontua a vida social. A sua generalização, patente na tendência para ser declinada no plural, parece tê-la “naturalizado”. Nesse contexto, qual o recorte comportamental do cidadão perante a fragmentação do tempo decorrente da incerteza, incrementada desde os anos 60 do século XX? Que identidade emerge, assim, em tempo de ruturas sociais? Da identidade definida, passou-se à identidade não tipificada, deslocada da ideia centrada em “nós” próprios, trazendo ao de cima a sua mobilidade. Nesta crise de paradigmas o plano identitário integra um processo mais amplo de mudança que abala os quadros de referência, antes aparentemente estáveis, já que as ideias preconcebidas sobre si próprio, sobre o outro e sobre o mundo são postas em causa (Dubar, 2011). E, muito embora a globalização relativize as influências dos Estados e a sua própria soberania, em tempo de crise emergem os apelos ao patriotismo. Foi o que aconteceu no caso português que, apesar de o país ter estado sob assistência económica externa, viu os responsáveis políticos a assumirem, transversalmente, posições com um recorte “nacional” sublinhado; o mesmo aconteceu com muitos eventos ligados ao branding, que recuperaram a ideia estado-novista de “portugalidade”, em contraciclo com a realidade vivenciada. Philippe C. Schmitter (2013) refere-se a uma combinação de fatores que poderá levar a um neocorporativismo, especialmente em países europeus de pequena dimensão e internacionalmente vulneráveis, como é o caso de Portugal. Zygmunt Bauman (2013) realça o divórcio entre o poder e a política, com o “velho mundo” a definhar, sem que tenha nascido um outro alternativo, o que pode explicar a perspetiva de Edgar Morin (2010), que observa que a ideia de futuro é marcada pela incerteza.
TypeBook part
URIhttps://hdl.handle.net/1822/68998
ISBN978-989-755-567-1
Publisher versionhttp://www.cecs.uminho.pt/publicacoes/livros/
AccessOpen access
Appears in Collections:CECS - Livros e capítulo de livros / Books and book chapters

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
2020_Sousa_As-crises-e-as-identidades.pdf143,73 kBAdobe PDFView/Open

Partilhe no FacebookPartilhe no TwitterPartilhe no DeliciousPartilhe no LinkedInPartilhe no DiggAdicionar ao Google BookmarksPartilhe no MySpacePartilhe no Orkut
Exporte no formato BibTex mendeley Exporte no formato Endnote Adicione ao seu ORCID