Please use this identifier to cite or link to this item: https://hdl.handle.net/1822/70175

TitleGente pasmada: febres contagiosas, apegadiças e sumárias na Braga Moderna
Author(s)Araújo, Maria Marta Lobo de
Issue date27-Nov-2020
PublisherUMinho Editora
CitationAraújo, M. M. L. (2020). Gente pasmada: febres contagiosas, apegadiças e sumárias na Braga Moderna. In Martins, M., Rodrigues, E., A Universidade do Minho em tempos de pandemia: Tomo I: Reflexões. UMinho Editora. DOI: https://doi.org/10.21814/uminho.ed.23.9
Abstract(s)[Excerto] As preocupações que hoje manifestamos com a saúde não são novas, embora se encontrem vestidas de outras roupagens. Na Idade Moderna, em tempo normal, manifestavam-se igualmente desejos de preservar a saúde, quer em termos teóricos, quer em termos práticos. Em alguns livros de viagem, mas também na correspondência particular são evidenciadas essas preocupações, pois era grande o medo da doença e ainda maior o da morte. Também alguns tratados sobre saúde refletem sobre estas questões, constituindo o manual do médico Fernão Solis da Fonseca (1626), intitulado O Regimento para conservar a saúde e vida, um dos primeiros em Portugal que contem recomendações para prevenir as doenças. No século XVIII, publicam-se alguns outros, contendo conselhos para a conservação da saúde das populações e as modalidades de curar achaques e moléstias. Destaca-se o nome de Francisco da Fonseca Henriques na publicação de várias obras e também António Ribeiro Sanches que, na sua obra Tra-tado da Conservação da saúde dos povos, publicada em 1756, sublinha os cuidados a ter com o corpo tendentes à manutenção da saúde. A saúde e a sua preservação ganharam importância no pensamento iluminista de setecentos, por serem entendidas como um dos pilares de prosperidade das sociedades (Abreu, 2010, p. 226). Simultaneamente, vários médicos e cirurgiões que escreveram sobre estas matérias utilizaram a língua vernácula e não o latim para tornar pública a sua mensagem a um maior número de pessoas (Abreu, 2019, p. 184-185). Todos os que podiam procuravam levar uma vida saudável. Usufruir de bons ares, agasalhar-se do frio, descansar, evitar correntes de ar, entre outras, constituíam medidas preventivas de preservação da saúde, ao mesmo tempo que materializavam o temor que se tinha da doença. Este era tanto maior, quanto se sabia das dificuldades da medicina e da incapacidade de muitos acederem aos cuidados de saúde. Por outro lado, conhecia-se uma esperança média de vida muito baixa. Os serviços de saúde disponibilizados eram muito precários e as pestes regressavam com frequência ao quotidiano das populações, marcando em alguns momentos o seu ritmo de vida, pelas alterações profundas que nele provocavam. Pela importância de que se revestiam, as pestes constituíam-se um assunto de grande relevância pública. Era preciso combatê-las com todos os meios disponíveis. [...]
TypeBook part
URIhttps://hdl.handle.net/1822/70175
e-ISBN978-989-8974-27-3
DOI10.21814/uminho.ed.23.10
AccessOpen access
Appears in Collections:DH - Capítulos de Livros/Book Chapters
UMinho Editora - A Universidade do Minho em tempos de pandemia: Tomo I: (Re)Ações

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
10. Gente pasmada febres contagiosas.pdf258,72 kBAdobe PDFView/Open

This item is licensed under a Creative Commons License Creative Commons

Partilhe no FacebookPartilhe no TwitterPartilhe no DeliciousPartilhe no LinkedInPartilhe no DiggAdicionar ao Google BookmarksPartilhe no MySpacePartilhe no Orkut
Exporte no formato BibTex mendeley Exporte no formato Endnote Adicione ao seu ORCID