Please use this identifier to cite or link to this item: https://hdl.handle.net/1822/77588

TitleA experiência estética musical – do conceito de música a um modelo autorreferencial do juízo estético
Other titlesThe aesthetic musical experience – from the concept of music to a self-referential model of the aesthetic judgment
Author(s)Sousa, Tiago Morais Ribeiro
Advisor(s)Moura, Vítor
KeywordsEstética
Hanslick
Kant
Levinson
Música
Aesthetics
Music
Issue date30-Mar-2022
Abstract(s)Nesta dissertação apresento uma caracterização da experiência estética musical das obras puramente instrumentais do reportório ocidental, através de uma articulação das principais dimensões envolvidas em tal experiência. Começo com uma problematização do conceito de música a partir da definição de Jerrold Levinson (2011e) que coloca em relevo os dois aspetos centrais da experiência musical: a experiência do som e a experiência do tempo - ou, de forma mais precisa, a experiência do som temporalmente organizado. Construo uma tipologia das estruturas temporais da música e caracterizo cada um dos seus elementos basilares, o timbre, a melodia, a harmonia e o ritmo. Da conjugação destes elementos surgem as qualidades estéticas de ordem superior – a expressão e a forma - abordadas a partir da teoria de Eduard Hanslick (2002 / 1854). Procuro mostrar que os argumentos de Hanslick acerca da não importância do carácter emocional da música não são sólidos. No âmbito deste estudo, apresento uma definição de forma musical baseada na perspetiva funcionalista de Nöel Carroll (2010) que não depende da dicotomia forma-conteúdo. Desta proposta, passo ao estudo das duas dimensões principais da experiência: a apreciação e o juízo. A apreciação será analisada a partir de uma crítica ao concatenacionismo de Levinson (1997, 2015). Preservando a ideia central de que a atenção apreciativa se dirige à evolução do instante presente, procuro, porém, qualificar esta teoria avançando com um elenco dos papéis que o conhecimento teórico poderá ter no aprimoramento da apreciação. Faço de seguida uma distinção entre dois tipos de juízo: a avaliação crítica que ocorre fora da experiência e o juízo que ocorre dentro da experiência. Este último juízo tem uma natureza autorreferencial (porque baseia a experiência na qual ele próprio se baseia) que será explicada em parte à luz da interpretação de Hannah Ginsborg da secção §9 da Crítica da Faculdade do Juízo de Immanuel Kant (2011). Tendo como núcleo o juízo autorreferencial, concluo esta dissertação propondo um modelo da experiência estética musical que articula os vários momentos apreciativos e avaliativos que nela ocorrem.
In this dissertation I characterize the musical aesthetic experience of purely instrumental works from the Western repertoire, through an articulation of the main dimensions involved in such experience. I begin with a problematization of the concept of music based on Jerrold Levinson's (2011) definition that highlights the two central aspects of the musical experience: the experience of sound and the experience of time - or, more precisely, the experience of temporally organized sound. I build a typology of the music's temporal structures and characterize each of its basic elements, timbre, melody, harmony and rhythm. From the conjugation of these elements emerge the aesthetic qualities of a higher order – expression and form – which will be approached from Eduard Hanslick’s theory (2002 / 1854). I try to demonstrate that Hanslick's arguments about the unimportance of the emotional character of music are unsound. In this study, I present a definition of musical form based on Nöel Carroll's (2010) functionalist perspective that does not depend on the form-content dichotomy. From this proposal, I proceed to the study of the two main dimensions of experience: appreciation and judgment. The notion of appreciation will be analyzed from a critique of Levinson's concatenationism (1997, 2015). Preserving the central idea that appreciative attention is directed to the progression of the present moment, I try to qualify this theory by proposing a list of the roles that theoretical knowledge can play in enhancing appreciation. Next, I will make a distinction between two types of judgment: the critical evaluation that takes place outside of experience and the judgment that takes place within experience. This last judgment has a self-referential nature (because it bases the experience on which it is itself based) which will be explained in part considering Hannah Ginsborg's interpretation of section §9 of Immanuel Kant's Critique of the Power of Judgment (2011). Having as its core the self-referential judgment, I conclude this dissertation proposing a model of the musical aesthetic experience that articulates the various appreciative and evaluative moments that occur in it.
TypeDoctoral thesis
DescriptionTese de doutoramento em Filosofia
URIhttps://hdl.handle.net/1822/77588
AccessOpen access
Appears in Collections:BUM - Teses de Doutoramento
ELACH - Teses de doutoramento

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
Tiago Morais Ribeiro de Sousa.pdfTese de doutoramento3,71 MBAdobe PDFView/Open

This item is licensed under a Creative Commons License Creative Commons

Partilhe no FacebookPartilhe no TwitterPartilhe no DeliciousPartilhe no LinkedInPartilhe no DiggAdicionar ao Google BookmarksPartilhe no MySpacePartilhe no Orkut
Exporte no formato BibTex mendeley Exporte no formato Endnote Adicione ao seu ORCID