Please use this identifier to cite or link to this item: https://hdl.handle.net/1822/73066

TitlePropagação in vitro dos porta-enxertos de amendoeira (GF677), de pistaceira (UCB-1) e de aveleira (Dundee)
Other titlesIn vitro propagation of almond (GF677), pistachio tree (UCB-1) and hazelnut (Dundee) rootstocks
Author(s)Galvão, Juliana de Sousa Vieira Vasconcelos
Advisor(s)Cunha, Ana
KeywordsCorylus avellana L.
Cultura in vitro
Pistacia vera L.
Porta-enxertos
Prunus dulcis
In vitro cultures
Rootstock
Issue date2019
Abstract(s)Os frutos secos possuem um valor nutricional, vitamínico e energético elevados, integrando-se na alimentação humana como frutos naturais crus (oleaginosas de frutos secos) e como fruto de processamento industrial (adição de sal e açúcar). Para além da área alimentar são ainda utilizados em outras áreas, como na medicina e na cosmética. Mas a crescente procura por frutos secos levou à escassez de plantas de qualidade para produção. A propagação in vitro de portaenxertos de fruteiras foi considerado o método mais rápido e eficaz na produção de espécies como amendoeiras, aveleiras e, mais recentemente, pistaceiras, pelo que deverá ser uma via para satisfazer as necessidades/ exigências do mercado atual. Neste contexto, foi objetivo desta dissertação o melhoramento de protocolos de micropropagação de porta-enxertos de amendoeira (GF677), pistaceira (UCB-1) e aveleira (Dundee) a partir de rebentos apicais, em particular para as fases de estabelecimento e de multiplicação in vitro, tendo-se testado vários clones de cada espécie e diferentes meios de cultura. Os três porta-enxertos foram estabelecidos in vitro com sucesso havendo diferenças dependentes da espécie, mas também do clone. O porta-enxerto da aveleira (Dundee) foi o que apresentou maior % de sobrevivência (51 %), sendo o clone I o que respondeu melhor (84%). O porta-enxerto de amendoeira (GF677) teve % de sobrevivência intermédia (27 %), apresentando os clones GF II e GF IV, em meios com composições hormonais distintas, os valores mais elevados (50 %). O porta-enxerto de pistaceira (UCB-1) apresentou % mais baixas de sobrevivência (23,01 %), contudo, obteve-se bastante sucesso com o clone I (41 %). Na fase de multiplicação, para além da % de sobrevivência calculou-se a % de rebentação dos explantes. Também nesta fase se detetou grande variação na % sobrevivência entre as espécies e entre clones. O porta-enxerto Dundee apresentou maior % de sobrevivência (82 %), do qual se destacou o clone II (100 %). O porta-enxerto de pistaceira obteve uma % intermédia (73 %), evidenciando-se o clone IV valor de 100 %. E o porta-enxerto de amendoeira apresentou % mais baixas de sobrevivências (41 %), contudo o clone o IV foi o que respondeu melhor (69,44 %). Todos os clones das três espécies atingiram uma rebentação de 100 %, exceto o clone II de UCB- 1 (50 %). Constatando-se que os melhores resultados ocorreram com a utilização dos meios de cultura 2, 3, 4 e 5 para os clones de GF677. O meio de cultura 3 para os clones de UCB-1. E os meios de cultura 2 e 3 para os clones de Dundee. De modo a testar-se outro tipo de explantes menos comuns na micropropagação mas mais abundantes ao longo do ano, realizou-se ainda um ensaio preliminar de indução de organogénese indireta a partir de explantes foliares. Embora com diferenças entre clones, foi nos porta-enxertos UCB-1 e Dundee onde se obteve maior formação de calli. Os trabalhos desenvolvidos tiveram resultados bastante promissores, tendo-se obtido material de qualidade para posteriores fases da micropropagação a partir dos 3 porta-enxertos. Mais estudos terão de ser agora realizados no sentido de otimizar os meios de cultura para multiplicação e estabelecimento de cada espécie e clone, bem como no delineamento de protocolos de enraizamento e aclimatização ex vitro.
Dry fruits have a high nutritional, vitamin and energy value, being integrated in human food as raw natural fruit (dry fruits oilseeds) and as a fruit from industrial processing (added salt and sugar). In addition to food, dry fruits have an important role in human health, for therapeutic/medicinal and cosmetics purposes. But the growing demand for dry fruits has led to a shortage of quality plants for production. In vitro propagation of fruit rootstocks has been considered the fastest and most effective method for producing species such as almond, hazelnut and more recently pistachio, and should therefore be a way to meet the needs/ requirements of today's market. In this context, the objective of this dissertation was to improve the almond (GF677), pistachio (UCB-1) and hazel (Dundee) rootstock micropropagation protocols from apical shoots, in particular for the in vitro establishment and multiplication stages, having tested several clones of each species and different culture media. The three rootstocks were successfully established in vitro with differences depending on species but also on clone. The hazelnut rootstock (Dundee) had the highest survival rate (51 %), witch clone I responded best (84 %). Almond rootstock (GF677) had intermediate survival % (27 %), with clones GF II and GF IV having the highest values (50 %) in media with different hormonal compositions. The pistachio rootstock (UCB-1) had lower % survival (23.01 %), however, it was quite successful with clone I (41 %). In the multiplication phase, in addition to the % survival, the explant burst % was calculated. Also at this stage large variation in % survival among species and between clones was detected. The Dundee rootstock had the highest survival rate (82 %), of which clone II stood out (100 %). The pistachio rootstock obtained an intermediate % (73 %), with a clone IV value of 100 %. And the almond rootstock had the lowest % survival (41 %), however the clone IV was the one that responded best (69.44 %). All clones of the three species reached 100% burst, except UCB-1 clone II (50%). The best results were found using culture media 2, 3, 4 and 5 for GF677 clones. Culture medium 3 for UCB-1 clones. And culture media 2 and 3 for the Dundee clones. In order to test other types of explants less common in micropropagation but more abundant throughout the year, a preliminary indirect organogenesis induction test was performed from leaf explants. Although with differences between clones, it was in the rootstocks UCB-1 and Dundee where the highest calli formation was obtained. The developed work had very promising results, having obtained quality material for later micropropagation phases from the 3 rootstocks. Further studies will now have to be done to optimize the culture media for multiplication of each species and clone, as well as in the design of rooting and acclimatization protocols ex vitro.
TypeMaster thesis
DescriptionDissertação de mestrado em Biologia Molecular, Biotecnologia e Bioempreendedorismo em Plantas
URIhttps://hdl.handle.net/1822/73066
AccessEmbargoed access (3 Years)
Appears in Collections:BUM - Dissertações de Mestrado
DBio - Dissertações de Mestrado/Master Theses

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
Dissertação Juliana de Sousa Vieira Vasconcelos Galvão.pdf
  Until 2023-01-01
4,56 MBAdobe PDFView/Open

This item is licensed under a Creative Commons License Creative Commons

Partilhe no FacebookPartilhe no TwitterPartilhe no DeliciousPartilhe no LinkedInPartilhe no DiggAdicionar ao Google BookmarksPartilhe no MySpacePartilhe no Orkut
Exporte no formato BibTex mendeley Exporte no formato Endnote Adicione ao seu ORCID